Facebook
Twitter
Youtube
Flickr

Notícias

Aplicação de verba pública por organizações sem fins lucrativos se torna mais transparente

Encontro discutiu novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil
Data de inclusão: 25/02/2015 17:43

Um encontro entre especialistas, autoridades públicas e representantes das principais organizações sem fins lucrativos da região, realizado na tarde desta quarta-feira (25), marcou o início de uma nova forma de parceria entre o Poder Público e o Terceiro Setor. Em pauta, estava o novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (Lei federal 13.019) que determina novas diretrizes e regulamentação para o repasse de dinheiro público a entidades que prestem algum tipo de serviço de cunho social. Entre as principais alterações com a nova norma, está o aumento na transparência quanto a aplicação do dinheiro público feito na execução de projetos sociais.

O novo Marco Regulatório, aprovado pela Presidência da República passará a valer oficialmente a partir de 31 de julho de 2015, mas o Município de Itajaí adiantou o debate para orientar as instituições locais sobre as mudanças estabelecidas pela nova norma. “É desejo da administração pública manter a relação que ao longo de tantos anos vem acontecendo com a sociedade”, reiterou o prefeito Jandir Bellini.

Para debater as novas diretrizes propostas pelo governo federal, o Município de Itajaí convidou o doutor em Direito Institucional e autor de diversos livros na área das organizações sem fins lucrativos, o advogado Eduardo Szazi, para apresentar e tirar dúvidas sobre os 88 artigos da nova lei. No debate, participaram representantes das principais entidades da região.

Além do encontro entre poder municipal, especialistas na área e entidades envolvidas, um grupo de trabalho que envolve a Controladoria Geral, a Procuradoria Geral e a Secretaria de Orçamento, Planejamento e Gestão tem se reunido desde a aprovação da lei para discutir as mudanças e sobre qual a melhor maneira de aplicá-la na realidade local.

 

Marco regulatório reformula parceria com entidades sem fins lucrativos

Em linhas gerais, explica o especialista Eduardo Szazi, as principais alterações envolvem desde o processo de seleção das entidades que serão apoiadas pelo poder público, até sobre como a verba será aplicada. Com o marco regulatório, na maioria dos casos, passa a ser necessário que haja “chamamento público”. O procedimento, semelhante a uma licitação, é uma medida para tornar mais democrática a parceria com o poder público.

A norma também prevê, entre outras novidades, maior liberdade das instituições na compra de matérias para a execução de projetos e, após o término da parceria, a possibilidade de o bem permanecer sob o uso da instituição.

Entre os novos pré-requisitos, as organizações precisarão ter:

- Três anos de existência no mínimo. Para participar de projetos em rede, com outras instituições, a exigência passa a ser de cinco anos;

- Experiência prévia: apresentar declaração de terceiros para os quais aquela entidade já tenha prestado serviços (valem também relatórios de atividades, prêmios recebidos e participação em conselhos públicos);

- Capacidade técnica: apresentar o currículo com a experiência profissional das pessoas envolvidas nas atividades que serão prestadas;

- Capacidade operacional: apresentar quadro de funcionários suficiente para a execução do projeto, bem como a infraestrutura necessária;

- Sede própria e comprovar que a instituição realmente funciona naquele endereço.

Além dos critérios de seleção, as instituições passarão a prestar contas – processo semelhante às políticas de transparência seguidas pelos órgãos públicos. Dessa forma, passa a ser item desclassificatório:

- Ter dívidas com a administração pública (Município, Estado e governo federal);

- Prestações de contas junto à administração pública rejeitada nos últimos cinco anos;

- Ter participado de fraude ou pagamento de propina no passado (comprovada pela declaração de inidoneidade);

- O dirigente, pessoa que responde pela associação, não pode ter histórico de dívida naquela ou em outra entidade ou órgão público nos últimos oito anos.

 

___________________

Informações adicionais:

Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão

Telefone: (47) 3341-6252

 

Procuradoria Geral

Telefone: (47) 3341-6042

 

Controladoria Geral

Telefone: (47) 3341-6140

Imagens relacionadas

Aplicação de verba pública por organizações sem fins lucrativos se torna mais transparente
Aplicação de verba pública por organizações sem fins lucrativos se torna mais transparente
Aplicação de verba pública por organizações sem fins lucrativos se torna mais transparente
Aplicação de verba pública por organizações sem fins lucrativos se torna mais transparente
Aplicação de verba pública por organizações sem fins lucrativos se torna mais transparente
Aplicação de verba pública por organizações sem fins lucrativos se torna mais transparente
Aplicação de verba pública por organizações sem fins lucrativos se torna mais transparente
Facebook
Twitter
Youtube
Flickr
Todos os direitos reservados © 2022 - Município de Itajaí